Hilton Souza

ARTIGO
Hilton Souza

A tv digital certamente é um belo produto derivado da tecnologia, no entanto, não há motivo para causar um impacto na sociedade. De acordo com Pierre Lévy em seu livro Cybercultura:

“fala muitas vezes no ‘impacto’ das novas tecnologias da informação sobre a sociedade ou cultura. A tecnologia seria algo comparável a um projétil (pedra, obus, míssil?) e a cultura ou sociedade a um ser vivo...”.


Logo, levando em conta o pensamento de Lévy, a sociedade encara a transformação tecnológica de forma trágica, usando equivocadamente a palavra “impacto” como um projétil imposto de forma grotesca no mundo. Não é essa a visão que a mídia e a sociedade deverão tomar como modelo, mas sim, mostrar os pontos negativos e dar ênfase à positividade do suposto “benefício” que a tecnologia pode oferecer a essa sociedade.

Aos poucos começa o “corre-corre” em busca da tão sonhada tv digital. O mercado já está transbordando de telas finas e esticadas, os famosos monitores de LCD´s e Tv´s de plasmas, que passam a verdadeira aparência de cinema e aos poucos invadem o espaço doméstico. Embora proliferem discussões, palestras ou até mesmo polêmicas, infelizmente, muitos dos brasileiros ainda não sabem nem mesmo pra que serve esse novo modelo de tv brasileira.

Sem sombra de dúvidas que haverá uma grande dificuldade por parte da maioria populacional, afinal de contas, a tv digital no Brasil, não é nada mais que um computador, sem o tradicional teclado, onde existe a função de selecionar a programação desejada, trocar informações com o equipamento por comandos na tela. É simplesmente uma tv “interativa”, onde programamos ou solicitamos e temos a necessidade atendida.

Outra grande dificuldade que será enfrentada pelos brasileiros é que muitos adolescentes não sabem ao menos o que é um computador; isso mesmo, um equipamento que parece ser comum em nosso meio, onde conseguimos nos comunicar ou manter informados por tudo que acontece no mundo. Quem nos garante que todos brasileiros saberão usar uma tv digital?

Complicado, “comer” o que não conhece. É assim, que muitos de nós vamos tratar esse “novo” equipamento que chegará ao Brasil. Pois, em países hiper desenvolvidos, a digitalidade nos meios de comunicação já se tornou maçante e simplificado. Enquanto vem o “resto” do padrão japonês de televisão imposto pelo nosso governo, tentaremos então, outra vez “catar milho”, mas agora, nas telas sensíveis dos monitores de plasmas, que certamente trarão supostas “interatividades” ao povo.

Inserir um novo padrão de tv em uma nação parece ser muito simples, quando se tem educação de qualidade, expansão de conhecimento e noção do que realmente é uma “inclusão digital”. Para implantar um adereço a mais na sociedade, é necessário que se tenha noção do que a tecnologia pode provocar de benefícios e prejuízos aos receptores.


No entanto, a precariedade é um dos principais fatores predominantes na educação de nossos jovens brasileiros. O governo com mera certeza, nunca deixará de ser responsável por essas deficiências transportadas com as mudanças de governantes, que como as telenovelas brasileiras, sempre procuram mudar o elenco, os personagens, mas o cenário continua o mesmo.

Então, nós telespectadores, continuamos no mesmo “sofá” ou até mesmo sentado ao chão à espera de solução. Assim, sempre preservando audiências, esperando o final feliz da nação, talvez nas próximas apurações eletrônicas de eleições.

One Response so far.

  1. RÔMULO says:

    parabens pelo trabalho profissional feito por Hilton Souza, tanto pelo flog como pelo artigo sobre TV DIGITAL, um trabalho de alta qualidade, Parabens sucesso e continue assim, que o Brasil será formado por pessoas com caracteristicas e opiniões diferentes!!!!